Desde pequenos a maioria de nós é instruída que para alcançar sucesso na vida é preciso ser esperto, mas até que ponto vai essa esperteza? Por que muitos sendo espertos acabam sendo injustos?

Cada vez mais vivemos e fortalecemos uma cultura de ganhar vantagem em nossas relações.

Burlar uma fila no trânsito, banco e em outros lugares, filar na hora da prova, pedir que alguém bata o ponto em nosso lugar porque ainda estamos atrasados para o trabalho, não dar o troco correto de uma compra que alguém fez, receber troco a mais e não devolver são algumas das cenas em que já fomos protagonistas da “esperteza”.

Listei algumas perguntas para uma reflexão pessoal sobre esse tema.

1) O que é ser esperto?

2) É possível ser esperto e justo ao mesmo tempo? Como?

3) Por que na maior parte das vezes queremos ganhar vantagem em tudo?

E para fechar…

Por que somos tão imperfeitos e nos chateamos com a imperfeição do outro, a ponto de o julgarmos e apenas atribuirmos justificativas para as nossas ações injustas?

Por Eli Melo