Antes de você ler esse artigo, gostaria de iniciar explicando que a ideia é causar uma reflexão dos cenários ao nosso redor e de como muita coisa tem influenciado as pessoas a nadar na mesma correnteza que outros nadam, sem saber aonde este “rio” vai chegar.

Mas por que esse tema?

O termo massa é uma referência à cultura de massas vivenciadas em várias sociedades desde a antiguidade. Essa cultura nasceu com o objetivo de manter as grandes massas, ou seja, as pessoas (em sua maioria com baixo nível de conhecimento) no controle de interesses de pessoas ou grupos ao longo da história, e que ganhou mais sentido e força após a Segunda Guerra Mundial, onde grandes indústrias e governos passaram a usar os meios de comunicação de larga escala, principalmente TV e rádio, para disseminar suas ideologias embutidas em produtos e tendências.

Nos dias atuais, muitas pessoas continuam nadando neste rio, quando na verdade elas possuem o verdadeiro poder de escolha: O poder de não se deixar levar pela falsa correnteza, pelo rio que as levam para a desilusão.

Um exemplo, são as lutas de grupos e classes que investem energia por direitos que na verdade só interessam às instituições, não percebendo que está em jogo a possibilidade de desfrutarmos relações saudáveis, mesmo em meio as diferenças, e que há muito mais a ser defendido e levantado como bandeira do que as “águas desse rio rumo a um penhasco”.

O fato é que precisamos ser mais críticos, questionando nossos próprios pensamentos e comportamentos, e o porquê de fazermos tudo o que a maioria faz. É necessário tomar a postura de alguém que não é massa de manobra, que tem capacidade de pensar diferente e sabe lidar com as diferenças.

É preciso buscar conhecimento da verdade!

Uma dica para ampliar sua reflexão está no filme: O Doador de Memórias. A narrativa conta a história de uma sociedade moderna, mas que é guiada por alguns valores, crenças e costumes limitadores da capacidade humana.

Lembre-se: O poder de escolha está em você!

 

Por Weverson Alves